A Internet das Coisas

O conceito de Internet das Coisas (ou IoT, sigla para o termo em inglês Internet of Things) é recente: nasceu no século 21, junto de tantas outras possibilidades tecnológicas que originaram a percepção de transformação digital nas empresas.

Nisso, podemos incluir uma integração em larga escala de objetos conectados, e que vão promover mais produtividade e automação com economia. Afinal de contas, a tecnologia tem se tornado cada vez mai acessível, e isso se converte em múltiplas oportunidades para diferenciar-se no mercado e gerar vantagens competitivas.

Quer saber quais são as possibilidades que a Internet das Coisas tem construído para o desenvolvimento de empresas? Basta seguir com a leitura deste post!

O que é a Internet das Coisas

Breve explicação: a Internet das Coisas é um salto evolutivo na maneira de nos relacionarmos com o universo on-line. Para isso, muitos outros objetos se tornam conectáveis, como veículos, o aparelho de ar-condicionado, a TV, sua geladeira, o relógio, os equipamentos da academia e bilhões de outros produtos.

Sim, bilhões: a expectativa é de que tenhamos mais de 20 bilhões de coisas conectadas até 2020. Como comparação vale lembrar que o planeta abriga pouco mais de 7 bilhões de pessoas. E é de se imaginar que isso tudo influencia diretamente o mundo dos negócios.

O impacto da Internet das Coisas no mercado

Hoje em dia até nos entusiasmamos com a integração física e virtual que o Google Meu Negócio promove, por exemplo, mas a Internet das Coisas promete levar as possibilidades tecnológicas a outro nível.

A pesquisa do perfil e comportamento do seu público-alvo é uma das esperadas mudanças. O monitoramento de tráfego em uma loja varejista pode fazer com que dados pré-programados e hábitos de consumo sejam rapidamente compilados e apresentados para que você identifique oportunidades de negócio em tempo real. E isso é só a pontinha do iceberg.

Aplicações atuais da Internet das Coisas na sociedade

Atualmente, a Internet das Coisas está inserida em diversos contextos — profissionais ou de nosso dia a dia particular. Para que você já se familiarize com a tecnologia, reunimos algumas de suas aplicações mais recentes, como:

  • Coleta de dados em tempo real para associar rapidamente os hábitos de consumo do seu computador para compor promoções personalizadas;
  • Avaliação em tempo real dos componentes de um equipamento ou maquinário industrial conectado. Assim, fica fácil prever a vida útil de peças e programar manutenções preventivas, que são menos custosas e evitam imprevistos na produtividade;
  • A logística também pode ser influenciada rapidamente com a Internet das Coisas. Basta ter como paralelo a agilidade com a qual os sistemas de GPS atuais indicam e recalculam trajetórias — mas em uma escala maior;
  • No monitoramento de data centers, os sensores conseguem captar as melhores condições de umidade ou temperatura e tomar as devidas ações para reajustá-las.

Se tudo isso já pode ser visualizado em nosso cotidiano, o que dizer do futuro? 

As principais tendências com a Internet das Coisas

Além de uma integração maior entre produtos, agilizando e facilitando ainda mais a comunicação, a Internet das Coisas tem sido celebrada por oferecer uma amplitude vasta de oportunidades criativas.

Entre as principais tendências idealizadas em curto, médio e longo prazo destacamos as seguintes:

Big Data

O exemplo que citamos acima, a respeito da análise do comportamento do consumidor em tempo real, só será possibilitado com o uso do Big Data. E ele já é uma realidade consolidada: uma pessoa consome 34 GB de dados por dia, em média. Multiplique isso pela quantidade de dados que uma só empresa gera, diariamente, e você vai perceber que o volume de informações é quase imensurável.

E é aí que o Big Data se mostra um aliado estratégico para o uso da Internet das Coisas. São as soluções que ajudam a armazenar e identificar padrões nesses dados que permitem o uso estratégico dessa monumental pilha virtual de arquivos.

Computação em nuvem

Como um complemento à tendência citada acima, a computação em nuvem torna o processamento de informações mais leve e o acesso a elas mais flexível. É assim que as empresas estão se tornando mais móveis — o que ajudou a popularizar os espaços de coworking, por exemplo.

Além disso, ao transitar pela computação em nuvem a Internet das Coisas é uma solução acessível, até, da mesma maneira que o marketing digital ajudou a democratizar essa categoria entre empresas de todos os portes.

Quer dizer: a tecnologia fica mais acessível, fácil de usar e de implementar ações estratégicas com o uso de dados que transitam pela nuvem. É a simples conversão em mais produtividade com mais economia e eficiência.

Inteligência artificial

No artigo que falamos a respeito dos chat bots destacamos o significativo papel da inteligência artificial em curto prazo nas empresas. Afinal, trata-se de um grande avanço no uso da Internet das Coisas.

Pois ele reflete tudo aquilo que falamos até aqui: os computadores vão aprender com mais rapidez e moldar continuamente esse conhecimento em soluções melhores. Como acontece com os chat bots, que aprimoram a qualidade no atendimento ao longo de cada interação com o consumidor.

E isso tudo deve ser elaborado com o máximo de planejamento para que suas ações sejam personalizadas e assertivas. Para tanto, recomendamos, agora, a leitura de nosso artigo que coloca em questão: equipe interna ou agência de marketing digital para desenhar as suas estratégias? Leia, e confira qual é a solução que melhor vai se adaptar às suas necessidades e objetivos para receber com total eficiência a Internet das Coisas em sua empresa!